Fisioterapia.pt

A fisioterapia como terapia preventiva nos jovens atletas: lesão do Ligamento Cruzado Anterior

Os benefícios associados ao exercício físico (onde se engloba a prática desportiva federada) para a saúde dos seus praticantes têm vindo a ser identificados de forma consistente ao longo dos últimos anos por investigadores, nomeadamente na redução do risco de desenvolvimento de osteoporose, obesidade, e doenças crónicas – cardiovasculares, diabetes e cancro. Para os jovens atletas, nomeadamente aqueles em idade escolar, os benefícios da prática desportiva estendem-se ainda a questões de nível psicológico – promoção do bem-estar, diminuição do stress, ansiedade e depressão, característicos da fase da adolescência – e social. A prática de uma modalidade federada devidamente organizada é uma ferramenta válida para o desenvolvimento do autoconceito e autoestima do atleta, aquisição de valores socialmente aceites e desenvolvimento de competências sociais e de autogestão que permitem uma superação constante e aproveitamento escolar contínuo.

No entanto, não se pode de forma alguma ignorar os riscos associados à prática desportiva, pois isso seria colocar em causa o grande paradigma defendido por cientistas, profissionais de saúde e do exercício ao longo dos anos: o de que a prática de exercício físico é benéfica.

O principal risco associado ao desporto federado é a lesão. Uma das articulações mais visadas durante a prática desportiva é o joelho, por estar constantemente sujeito a forças que variam em intensidade e direção. Por isso mesmo, o joelho é uma das articulações onde ocorre um maior número de lesões (15% a 30% de todas as lesões desportivas), que muitas vezes requerem uma paragem prolongada. A rotura do ligamento cruzado anterior (LCA) representa 50% do total de lesões da articulação do joelho e é responsável por 60% das cirurgias realizadas por lesão desportiva a jovens atletas entre os 16 e 18 anos (dados da população americana). O impacto desta lesão nos jovens atletas não se traduz apenas em repercussões a curto prazo – a necessidade, na maioria dos casos, de intervenção cirúrgica -, como também a médio prazo – a longa duração de tempo de recuperação (6 meses a 1 ano), que leva o jovem atleta a atingir níveis de ansiedade e/ou depressão que podem afetar o seu aproveitamento escolar – e longo prazo – maior probabilidade de desenvolver dor crónica e osteoartrose no joelho 10 a 20 anos após a lesão.

Qual será então a solução para os jovens atletas, pais ou treinadores quando confrontados com esta problemática? A resposta é algo simples e até se ajusta ao velho ditado português “mais vale prevenir que remediar”. Pois bem, a prevenção de lesões, embora não sendo uma prática regularmente aplicado no desporto português, é essencial para combater esta problemática O fisioterapeuta, embora surja como o profissional responsável pela reabilitação de lesões em contexto desportivo, deve ter também um papel ativo na prevenção das mesmas.

Articulação do joelho – Estabilidade

O joelho é uma articulação complexa do membro inferior que conecta os ossos do fémur, tíbia, perónio e rótula. Para garantir a sua estabilidade é necessária uma interação constante entre músculos, ligamentos e claro, o sistema nervoso e suas terminações nervosas, presentes nos ligamentos. Essas terminações captam informação (inputs) acerca da posição da articulação, que são conduzidas até ao cérebro, que por sua vez as interpreta e envia mensagens de reação para os músculos (controlo neuromuscular), permitindo, por exemplo, ajustar a posição antes de realizar um remate à baliza quando a bola, inesperadamente, ressalta e descreve uma trajectória inesperada. O mesmo processo se traduz numa situação de lesão eminente, ou seja, o nosso corpo é capaz de reagir perante esse perigo, podendo evitar uma lesão ou impedir que o grau desta seja mais grave.

 

LCA – O que é?

O ligamento cruzado anterior é um dos quatro principais ligamentos responsáveis pela estabilidade do joelho, mais concretamente, da articulação tibiofemoral (conexão entre o fémur e a tíbia). A função dos ligamentos é garantir estabilidade à articulação, impedindo que esta se movimente para lá dos graus que lhe são fisiologicamente permitidos. Cada ligamento é responsável por impedir um movimento específico. No caso do LCA, este impede a translação anterior excessiva da tíbia.

 

Mecanismo da lesão

Como os ligamentos são pouco elásticos, quando colocados em stress, ou seja, quando a articulação realiza um movimento com amplitude excessiva, estes vão partir, originado uma rutura das suas fibras. Normalmente o mecanismo de lesão associado à rutura deste ligamento é o de rotação interna da anca (joelho valgo), no qual o joelho vai para dentro. A situação de lesão normalmente ocorre em movimentos sem contacto.

Programa de Prevenção

Fatores de risco

Após ser identificada a problemática da incidência e severidade da lesão que desencadeia a iniciativa do programa de prevenção, é necessário reconhecer quais os fatores de risco presentes em cada jovem atleta, dependendo das suas características (fatores de risco intrínsecos) e o risco associado às características do desporto praticado (fatores de risco extrínsecos).

FATORES DE RISCO
Intrínsecos Extrínsecos
Sexo feminino com maior probabilidade de
contrair a lesão por:
• Menor capacidade de contração dos
músculos que estabilizam o joelho
• Maior laxidão ligamentar
• Menor resistência do lca, propriedade que
fica fragilizada durante o período de
ovulação e menstruação devido à alteração
das concentrações hormonais
• Duração do jogo
• Necessidade de mudanças de direção a
alta velocidade e saltos
• Tipo de superfície onde decorrem os
treinos e jogos
• Calçado
• Material de proteção
• Condições climatéricas
Fraqueza ou desequilíbrios musculares
Dificuldade de coordenação motora

Princípios subjacentes

Para realizar um programa de prevenção bem-sucedido, é necessário que este seja ajustado àquilo que é a realidade da equipa ou atleta e às características do desporto, de modo a conseguir ser integrado no treino. Atualmente, os programas de prevenção são geralmente inseridos no período de aquecimento, e devem potenciar 4 componentes:

  • Controlo neuromuscular (utilizando exercícios de propriocepção e equilíbrio)
  • Força muscular do membro inferior e core
  • Agilidade (exercícios de técnica de contacto ao solo e mudanças de direção específicas da modalidade)
  • Capacidade aeróbica

Quando bem delineado e adaptado aos jovens atletas, de acordo com as suas características e da modalidade que praticam, sabe-se que os programas de prevenção de lesões têm resultados positivos, como demonstram alguns estudos, que apontam para uma redução do risco de lesão de 25% quando os exercícios são efetuados 3 vezes por semana.

Bibliografia
  • Parkkari, J., Pasanen, K., Manila, V. M., Kannus, P., & Rimpelä, A. (2008). The risk for a cruciate ligament injury of the knee in adolescents and young adults: A population-based cohort study of 46500 people with a 9 year follow-up. British Journal of Sports Medicine, 42(6), 422–426. https://doi.org/10.1136/bjsm.2008.046185
  • Joseph, A. M., Collins, C. L., Henke, N. M., Yard, E. E., Fields, S. K., & Comstock, R. D. (2013). A multisport epidemiologic comparison of anterior cruciate ligament injuries in high school athletics. Journal of Athletic Training, 48(6), 810–817. https://doi.org/10.4085/1062-6050-48.6.03
  • Filbay, S. R., Ackerman, I. N., Russell, T. G., Macri, E. M., & Crossley, K. M. (2014). Health-related quality of life after anterior cruciate ligament reconstruction: A systematic review. American Journal of Sports Medicine, 42(5), 1247–1255. https://doi.org/10.1177/0363546513512774
  • Herring, , Kibler, W. & Putikian, M. (2015). Selected Issues in Injury and Illness Prevention and the Team Physician: A Consensus Statement. Official Journal of the American College Sports of Medicine. 159-171.
  • Emery C. & Pasanen, K. (2019). Current trends in sport injury prevention. Best Practice & Research Rheumatology 33. 3-15.
  • Lopes, H. & Fernando, C. (2013). A importância do desporto no desenvolvimento das crianças e jovens. Universidade da
  • Soares, J., Aranha, M. & Antunes, H. (2013). Relação entre os setores de prática desportiva, as modalidades desportivas e o aproveitamento escolar. Universidade da Madeira. Motricidade 2013, vol. 9, n. 3, pp. 3-11
  • Rosário, F. & Velho, C. (2018). Saúde mental e prática desportiva na adolescência. Mestrado em Psicologia Dissertação. Escola de Ciências Sociais. Departamento de Psicologia. Universidade de Évora.
  • Smith, , Vacek, P., Johnson, R., Slauterbeck, J., Hashemi, J., Shultz, S. & Beynnon, B. (2012). Risk Factors for Anterior Cruciate Ligament Injury: A Review of the Literature — Part 1: Neuromuscular and Anatomic Risk. Sports Health. Vol 4. No 1
  • Smith, , Vacek, P., Johnson, R., Slauterbeck, J., Hashemi, J., Shultz, S. & Beynnon, B. (2012). Risk Factors for Anterior Cruciate Ligament Injury: A Review of the Literature—Part 2: Hormonal, Genetic, Cognitive Function, Previous Injury, and Extrinsic Risk Factors. Sports Health. Vol 4. No 2
  • Warburton, , Nicol, C. & Bredin, S. (2006). Health benefits of physical activity: the evidence. CMAJ. March 14, 2006 • 174(6). pp. 801-809.
  • Williams, G., Chmielewski, T., Rudolph, K., Buchanan, T & Mackler, L. (2001). Dynamic Knee Stability: Current Theory and Implications for clinicians and scientists. Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy. 2001 ;31(10) :546-566
  • Domnick, C., Raschkle, M. & Herbort, M. (2016). Biomechanics of the anterior cruciate ligament: Physiology, rupture and reconstruction techniques. World J Orthop 2016 February 18; 7(2): 82-93

Fisioterapeuta Leonor Serralheiro One Clinics Barreiro

Adicionar comentário

Follow us

Don't be shy, get in touch. We love meeting interesting people and making new friends.

Most popular

Most discussed